Sonho

3 de dezembro de 2010

Ela era apaixonada por um homem que sonhava em ser açougueiro. Pense? Um homem que sonhava ser açougueiro. E eram sonhos. E as cores e os sabores cortes. E das coisas da profissão. Pense? Ela era apaixonada por um homem que sonhava. Era Clarice. No meio de uma esquina madrugada bonita. Que ironia. Era Clarice. Era mais um de seus personagens. Como ela tinha explicado. Bonito. Que nem deu tempo de tudo. Bonito. Mas pense? Até onde eu levei esse homem. Uma mulher que era apaixonada por um homem que sonhava. Ser açougueiro. O que fazia todo sentido. Era Clarice – meu caro – invenção. Lispector.